Uma verdade muito crua e dura pode ser dita de uma forma distinta para não machucar aquele que ouve.

O que é eufemismo?

Do mesmo modo que a hipérbole e a ironia, o eufemismo é considerado como uma das figuras de pensamento ou semântica, portanto, sua compreensão está diretamente relacionada ao contexto existente na manifestação oral ou verbal que o abriga, além da participação do leitor ou do interlocutor para que o seu efeito faça sentido.

Esta figura de linguagem tem como principal função suavizar algo que está sendo dito ou escrito, de modo que aquilo não seja tão explícito ou ofensivo para os outros. Sendo assim, é bastante útil para tratar de um tema complexo em um ambiente desconhecido ou para tocar em assuntos tidos como tabus sociais.

Exemplos de eufemismo

Sua utilização também se dá em ocasiões tensas, onde é necessário dar uma má notícia ou fazer críticas a alguém, a fim de dizer o que deve ser falado de forma mais sútil e gentil, de modo que a informação seja recebida da melhor maneira possível.

Exemplo 1

“Macunaíma punha a mão nas graças dela, cunhatã se afastava.”
– Mário de Andrade

O escritor, no exemplo acima, utilizou um eufemismo para tratar de um tabu sexual. A substituição do título das partes íntimas pela palavra “graças”, além de tudo, também gera um efeito humorístico.

Exemplo 2

“Tia Geralda foi dessa para uma melhor.”

Esta expressão clássica na língua portuguesa é um trato eufêmico para lidar com a morte de alguém. Como é um assunto bastante delicado e ligado à tristeza das pessoas, é mais confortável falar desta forma do que utilizar o verbo literal.

Exemplo 3

“Ele vivia de caridade pública.”
– Machado de Assis

A substituição nesta frase é bastante sútil, pois a princípio não fica bem claro o que o autor não quis escrever. Com mais atenção, é possível reparar que a “caridade pública”, dentro do contexto irônico, nada mais é do que receber esmolas dos outros.

Exemplo 4

“Seu filho foi convidado a se retirar da sala de aula.”

Neste trecho é a formalidade da situação que implica a necessidade de um termo mais harmônico, como “convidado”, no lugar de “expulso”, por exemplo. A finalidade, no caso, é evitar atritos durante o diálogo.

Exemplo 5

“Quando a Indesejada das gentes chegar.”
– Manuel Bandeira

Aqui a figura se manifesta de forma mais complexa, mas também procura respeitar a dor de outrem perante o falecimento de alguém. Além do tom poético, sua configuração está mais abstrata, obrigando que o leitor reflita sobre quem as “gentes”, o povo, não deseja por perto: a morte.


Avaliação média: 4.78
Total de Votos: 9

Eufemismo